“Falar com Deus em castelhano”

Resultado de imagem para poemas ibéricos miguel torga

 © João Tomaz Parreira

Esta expressão “ falar com Deus em castelhano”, que nada tem de estranha, é de uns versos de Miguel Torga (1907-1995), dedicados num poema a Miguel de Unamuno (1864-1936), no livro “Poemas Ibéricos”.

Torga diz de Unamuno, poeta e filósofo espanhol em honra do qual tomou o nome Miguel no pseudónimo, que “ falava com Deus em castelhano/ Contava-lhe a patética agonia / Dum espírito católico, romano, / Dentro de um corpo quente de heresia”. Mas todos nós, de resto, falamos com Deus na nossa língua pátria.

Foi assim que o viu e sentiu os seus escritos, mas Miguel de Unamuno não foi “um corpo quente de heresia”, não foi de todo um herético, antes foi, por exemplo, um dos maiores leitores do Apóstolo Paulo, ainda que sob o prisma do sentimento trágico do Mundo.

E não foi assim que o apóstolo sentiu essa tragicidade, por exemplo, ao chegar a Atenas?

Também quando vislumbrou a tragédia espiritual que se podia estar a abater sobre os crentes cristãos da Galácia, conduzidos ao espartilho dos judaizantes? Da rejeição e troca do Evangelho da Graça de Cristo por “outro evangelho”?

O mesmo sentimento de quase desânimo quando se dirigiu à comunidade cristã de Corinto, considerando os crentes ainda “meninos”, carnais, e submetidos a uma disputa de “lideranças”?

Outrossim quando, com a sua transparência e honestidade, profundamente ética e cristã, reconheceu que miserável homem que era (Ro 7:24), que não fazia o bem que queria, mas o mal que não queria esse fazia, não é com certeza o retrato da tragédia do ser humano, do seu sentimento de incapacidade própria perante o Bem e o Mal por causa do Pecado e da Queda?

Paulo sentiu como poucos esse sentimento trágico da vida, por isso se propôs anunciar o Evangelho da Graça de Deus como algo vital, necessário, imprescindível, o poder de Deus para a Salvação de todo aquele que crêr.

Do sentimento trágico da Vida

A obra mais notável deste humanista – daí com certeza Torga falar de heresia- que foi Unamuno, é esse Del sentimiento trágico de la vida, publicado em 1913, e na sua profundidade teológico-filosófica está repleto do corpus e do pensamento do autor das Cartas aos Romanos, aos Gálatas, etc.

Neste livro, trata o autor de El Cristo de Velásquez (poesia) acerca da vida dos homens e dos povos, designadamente o espanhol em período de convulsões e prestes a iniciar-se a hecatombe da Europa, traça-lhes o destino da tragédia, com o ímpeto agónico (de agonia, no sentido de luta) de um religioso preocupado com o Homem e da necessidade deste de Deus. “A este Dios cordial o vivo se llega, y se vuelve” ou “Crêr en Dios es, en primera instancia al menos, querer que le haya, anhelar la existência de Dios” – escreve o autor basco. Neste sentido também vai outra obra de 1924, A Agonia do Cristianismo.

Ao passarmos pelo índice da obra “Del sentimiento…” a dimensão das temáticas tratadas dá-nos desde logo a grandeza desse tratado, diria de Teologia, são 12 capítulos repletos de Deus e do Homem, do Apóstolo Paulo e da Fé.

Depois de ler o Apóstolo Paulo, a Carta aos Hebreus e Miguel de Unamuno, só posso concluir que a Fé (a “Pístis”, no grego, confiança) é, também, um binóculo que transporta para perto de nós o que não está claro e ainda está distante. A Fé já tem em si mesma a demonstração do que se não vê.

 

     

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s