… mas o chão já cheirava a sangue

 

 

Paulo Mendes Pinto

 

Há uns anos atrás, escrevi, com a Susana Mateus, um pequeno livro sobre o massacre dos judeus em 1506. Passado um tempo de sabático afastamento ao tema duro da morte, regressei através d’O último cabalista de Lisboa de Richard Zimler. Adorei o texto do escritor luso-americano e revivi toda a minha pesquisa feita anos antes, todo o frenesim de escrever o livro, como se de uma “missão” se tratasse.

Há uns dias apanhei um pretexto e fui a S. Domingos, ao espaço onde esse massacre começou há mais de 500 anos. É claro que de 1506 já nada lá podemos encontrar. Tudo é posterior, quer a Igreja dos Dominicanos, quer o Teatro D. Maria, que está mais ou menos onde dantes esteve o Palácio da Inquisição.

Mas o chão cheira a sangue… Como que dando um tom irónico ao local, hoje o largo fronteiro à Ginjinha do Rossio, é dos espaços mais multiculturais da cidade lisboeta. Junto ao Palácio da Independência, como que afirmando que a multiplicidade é a nossa matriz – mesmo para os que a escamoteiam – somam-se os grupos de negros, por vezes em alegre alarde, despreocupados, ou não, em convívio solto que parece multissecular.

Mas não o é, não. Este local foi palco das mais atrozes cenas de violência que podemos imaginar. Não sabemos se morreram 4000 pessoas, judeus, ou se foram menos, uns 2000… enfim, trocos, pequenos pormenores quando se passa o limite do que de exacto o número possibilita.

Nesse dia, vim da Praça da Figueira, onde antes se situava o Hospital de Todos os Santos, instituição que recebeu os bens da Judiaria desmantelada por ordem de D. Manuel aquando do Baptismo Forçado dos Judeus em 1497. Entrei, mesmo junto ao velhinho Braz & Braz no pequeno largo fronteiro à Igreja.

Vi o monumento inaugurada aquando dos Oceanos de Paz, em 2001, com a mensagem do Cardeal Patriarca de Lisboa. De facto, como se matou em nome de Deus!… Vi o mais recente monumento, bilingue, dedicado às vítimas desse 19 de Abril de 1506. Estava com os meus filhos. Contei-lhes tudo.

Entrámos na Igreja que, mais um aspecto irónico, hoje apresenta um tecto como que flamejante, recordando o incêndio que já no século XX a vitimou, mas também, como que rememorando o fogo em que arderam centenas, ou milhares de pessoas às suas portas, sendo que os primeiros mortos desse morticínio foram perpetrados ainda dentro das suas paredes sagradas.

Neste tecto que hoje recorda o fogo, eram pendurados, nos séculos XVI e XVII, os sambenitos com que os sentenciados eram marcados – as vestes rituais que indicavam o crime e a sentença e que, no caso dos “relaxados em carne”, tinha a pintura do rosto do ainda vivo a ser queimado e transformado em morto.

Custou. Ficámos em silêncio. Rodeados por umas dezenas de pessoas – de crentes que, entre o turbilhão do Rossio e a voragem do Martim Moniz, decidira vir orar ou simplesmente recuperar o folgo desse ritmo alucinante da cidade moderna – sentimos o peso de uma solidão indizível. Apenas eu, os meus filhos e a minha companheira, sabíamos que no ar que respirávamos vagueavam as minúsculas partículas de milhares de vivos que contra a sua vontade se transformaram na mais normal cinza.

A cinza, essa, já as águas da chuva-que-tudo-limpa levou para o Tejo, ou não fossem os rios as marcas do esquecimento, os limes que criam barreiras e nos colocam de um lado da margem, dependentes de um barqueiro. Mas a memória, essa não foi por água que foi limpa. Não houve, nem purificação, nem sublimação. É de negação à memória que falo. Sim, esquecimento, na sua mais brutal força.

Quer no Antigo Egipto, quer na Roma Antiga, existiam formas muito bonitas de perpetuar a memória de alguém que morria. Uma delas era pelo nome. Em ambas as culturas, junto aos túmulos, colocavam-se frases e pedir a quem passasse que lesse o nome do morto. Dessa forma, repetindo o nome, dava-se vida.

Hoje, em Lisboa, ainda não conseguimos dar vida a esses nossos mortos que tão aviltantemente foram roubados a este mundo.

Para quando uma lista, um memorial com esses nomes?

 

Fonte: Quid Est Ergo Tempus?, 2013.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s